top of page
muniz sodré.png

Pedro Claudio Cunca Bocayuva

Vivemos um ciclo social e ambientalmente regressista por força do "Estado Neoliberal", do fetichismo da mercadoria, da sociedade do espetáculo e dos simulacros, com acumulação da riqueza e do poder na sociedade em rede. Estamos diante da fragmentação e do desamparo com a dominação necropolítica.

Diogo C. Nunes

Como um ato-falho, sabemos que “o fascismo não passará”, independente de quem saia “vitorioso” na eleição presidencial. Como uma resposta genuína às violências do processo civilizatório, o fascismo se faz de adormecido, por vezes, mas não passa.

partigiani_edited.jpg
Bolsonaro o nazista, fascista, Jair Bolsonaro e hitler, nazismo, insano, ditador, esquizof

Pedro Claudio Cunca Bocayuva

Vivemos na distopia, com a troca de um horizonte de direitos por um reforço da ideia de segurança, na lógica de ações de guerra colonial e de extermínio. Este quadro paralisa a consciência crítica pela produção do discurso da vontade de destruição da diferença com a construção dos negacionismos.

Alexandre M. T. de Carvalho

Aquele falo inflável verde e amarelo na Pau-lista é a própria imagem do mal-estar na contemporaneidade. É a imagem limite do machismo, do racismo e do fascismo. É a imagem limite do patriarcado - e desmorona, esvazia, revela o que nada dentro tinha. O momento sublime é a sua brochada.

pau-lista_edited.jpg
marcelo%20_%20aquarela_edited.jpg

Marcelo Fonseca

O demonstrativo do filósofo não é como o da manchete de jornal. Chama a atenção para o acontecimento, que desvirtua a expectativa do olhar factual da historiografia noticiosa frente ao brotar daquilo que brota, como a água em um poço, na figura de uma coisa qualquer, de uma vitória sobre o nada (talvez uma ilusão, apenas).

_edited.jpg

Pedro Claudio Cunca Bocayuva

A destruição do laço social tem a fúria como uma epidemia subjetiva. Para superar o quadro das potências mórbidas, precisamos muito mais do que vacinas ou de distanciamento social.

Musas_edited.jpg

Diogo C. Nunes

A música da manhã e a música do amanhã têm em comum o anúncio da primavera, aurora pendente no bico dos pássaros da comunidade que vem. Aprender a esperar e aprender a ouvir aquela música se correspondem, porque o que sopram em nossos ouvidos as Musas não é nada além de silêncio cantado.

Alexandre M. T. de Carvalho

Chico Buarque de Hollanda nos convida a ver o que se diz.

Mas, ver o que se diz, o que é isso? Ver o que se diz é ler o que se escreve? Ou será que o que se escreve não se diz? Vale o dito ou vale o escrito?

What-Else-Mag-Cultura-Fotografia-Man-Ray-Cover.jpg

Alexandre M. T. de Carvalho

A única coisa que o conservador realmente conserva é a dor - a dor dos outros, é

claro.

image_processing20210831-29413-r36925_edited.jpg

Alexandre M. T. de Carvalho

A experiência da vertigem é a de um espaço sem tempo: é a experiência da des-orientação. O tempo é auditivo, exige “escuta” e comunicação pela palavra [linguagem-tempo].

_edited.jpg
_edited_edited.jpg

Alexandre M. T. de Carvalho

O tempo implacável passa, impávido, para as nossas células. Passa, incólume, por entre as células. O tempo histórico do capital nos tritura, provoca percepções estranhas nas entranhas em que se apercebe o tempo, a passagem do tempo.

Diogo C. Nunes

“Tempos sombrios” são aqueles em que a desesperança se impõe e em que, exatamente por isso, a esperança, frágil e vacilante, deve ser conquistada – ou, nos termos de Ernst Bloch, “aprendida”.

brecht war prime.jpg
ilustrasi-hl-3-_ratio-16x9_edited.jpg

Marcelo Fonseca

Nenhuma enunciação parte do zero. Para além do código, existem também, e desde muito cedo nesse processo, pressupostos de ordem estética e de saber, em sentido amplo, que orientam, como paradigmas, a enunciação em seu ato. Esses pressupostos são, em algum nível fundamental, atravessados pela “fé”.

Diogo C. Nunes

É ao menos curioso o vínculo que têm as palavras “professor” e “profeta”. De modos, a princípio, distintos, ambos “professam”, ou seja, toram algo público. Profiteri quer dizer, justamente, publicar. Mas, os verbos fateri, do professor, e phanai, do profeta, embora se aproximem, dizem respeito a ações distintas.

magritte%20a%20profecia_edited.jpg

Marcelo Fonseca

O que vemos só nos olha na medida em que nos deixamos implicar lá naquilo que nos olha. No sentido dessa implicância, partilhamos o núcleo profundo do terror do paranoico: ser olhado por “aquilo”. O olho mau, o “mal de olhar”, o mel do olhar, incrustado naquilo que nos olha. Perguntamos: O que nos olha? O que é isto que nos olha?

18590437_605_edited.jpg
pinóquio.jpg

Diogo C. Nunes

O tempo da infância não é exatamente “ilógico”, pois, nele, é a lógica que é impotente. Aión é, assim, a impotência da lógica, que ele, simplesmente, desconhece. Ele “brinca” por entre as proposições, desmentindo-as no interior da própria inferência.

banco%20escolar_edited.jpg

Diogo C. Nunes

Diz-se que “aluno”, palavra derivada do latim “alumnus” (no plural, “alumni”), significa “sem luz”, pois o prefixo “a” seria negação de lumen, “luz”. Etimologicamente, trata-se de um equívoco.

bottom of page