top of page

08 mar. 2021

O amanhecer é amigo das musas

Diogo C. Nunes*

 

 

Aurora musis amica est.

Provérbio latino.

 

Dir-se-ia que a esperança seria um afeto paralisante. Que é tempo de agir e que há urgência. Que o otimismo, traço essencial daquele afeto, estaria, no mínimo, desencontrado da gravidade que configura o tempo presente. Contudo, se Ernst Bloch havia nos dito que “o que importa é aprender a esperar” [1] é porque não há espontaneidade na esperança e porque o esperar como resignação, que não esconde sua faceta ideológica mal disfarçada de bondade, denuncia, pois, que não sabemos esperar.

 

O tempo da pausa – que não sabemos apreender – talvez corresponda, ao menos analogicamente, ao silêncio, à voz, ou ao canto, do silêncio. Porque afeto e verbo – ou sentir, agir e dizer – se implicam e se dependem, e isso Aristóteles e os estoicos já bem sabiam. Se digo “esperançar” no lugar de “esperar” não somente desvio-me da missão de aprender a esperar como enxerto naquela pausa uma ação e um sentido. Um tempo que se esvazie de sentido parece insuportável ao senso de urgência contemporâneo. E o mesmo se poderia dizer quanto ao som: se há em toda voz que escutamos um silêncio insistente, aquele senso que impele à ação e ao enxerto de sentido recusa o aprendizado que nos pode dar a voz calada.

 

A música da manhã e a música do amanhã têm em comum o anúncio da primavera, aurora pendente no bico dos pássaros da comunidade que vem. Aprender a esperar e aprender a ouvir aquela música se correspondem, porque o que sopram em nossos ouvidos as Musas não é nada além de silêncio cantado.

 

Música, a arte das Musas, tem seu lugar no Museu. Daí que “despertar no passado as centelhas da esperança” seria o “privilégio” daqueles que assumiram a tarefa de aprender a esperar, de ouvir o que é sem som, mergulho em seus abismos muitos [2]. É deste gesto, e não da recusa do que, inelutável, insiste em ser pausa, interrupção e silêncio, que o presente poderá se abrir. Aprender a esperar: pois todo amanhecer é prólogo do livro porvir, como todo escurecer acende pirilampos e todo escrito é apenas rascunho de uma obra que, insistentemente inacabada, não cessa de ser escrita [3].

 

 

[Texto adaptado do editorial do No. 2 da Revista Círculo de Giz].

 

[1] Ernst Bloch, Princípio Esperança, vol. 1, 2005, p. 13.

[2] "Em cada época, é preciso arrancar a tradição ao conformismo, que quer apoderar-se dela. Pois o Messias não vem apenas como salvador; ele vem também como o vencedor do Anticristo. O dom de despertar no passado as centelhas da esperança é privilégio exclusivo do historiador convencido de que também os mortos não estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer". Walter Benjamin, Sobre o conceito de História, tese No. 6.

[3] “[...] toda obra escrita pode ser considerada como o prólogo [...] de uma obra jamais escrita”. Giorgio Agamben, Infância e história, 2005, p. 9.

* Diogo C. Nunes é historiador, mestre e doutor em Psicologia Social; assessor pedagógico da ENSP/Fiocruz.

Leia também:

partigiani_edited.jpg

O Fascismo não passará, literalmente

Como um ato-falho, sabemos que “o fascismo não passará”, independente de quem saia “vitorioso” na eleição presidencial.

O bolsonarismo e a tortura

Vivemos na distopia, com a troca de um horizonte de direitos por um reforço da ideia de segurança, na lógica de ações de guerra colonial e de extermínio.

_edited.jpg

Diante da barbárie

Na fúria e no ódio fascista, a falsa consciência e a razão cínica revelam a sua face bestial, da pulsão de destruição que move o capitalismo mundializado como colonialidade do poder.

bottom of page